6Pesquisa em psicanálise e educação: a conversação como metodologia de pesquisaAs práticas educativas e os castigos: o exercício da crueldade como o lugar da inscrição da memória author indexsubject indexsearch form
Home Pagealphabetic event listing  

Psicanálise, Educação e Transmissão


On-line ISBN 978-85-60944-08-8

Abstract

GOMES-KELLY, Roberta Ecleide de Oliveira. O pequeno infante escolar: as vicissitudes de um novo sentimento de infância fabricado pela Educação Infantil.. In: PSICANALISE, EDUCACAO E TRANSMISSAO, 6., 2006, São Paulo. Proceedings online... Available from: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032006000100061&lng=en&nrm=abn>. Acess on: 15 June. 2024.

Este estudo traz algumas reflexões acerca da subjetividade na Educação Infantil, advindas de uma pesquisa acerca do discurso e prática de educadores infantis. Nos relatos dos educadores infantis, observou-se a ênfase em uma criança sempre pronta a descobrir, aberta ao mundo (espaço de surpresa e novidades). Isto parece indicar o surgimento de uma nova visão de infância, específica para a criança pequena, como um outro sentimento de infância, correspondendo a uma subjetividade (pós)moderna. O pequeno infante costuma ser estimulado em casa, pelos pais e outros adultos, intentando-se um ser humano mais preparado para o mercado de trabalho, na perspectiva de uma sociedade neoliberal de seres capacitados e altamente competitivos. Na Educação Infantil, o pequeno infante aparece identificado ao escolar: o pequeno infante escolar, alguém estimulado a descobrir, na voracidade das não-informações atuais, advindas das necessidades de mercado, para chegar ao (des)conhecimento de seu consumo. A ênfase na descoberta, na novidade e na surpresa não parece vir acompanhada de uma construção, de uma produção de conhecimento engendrada pela relação e pela história. Portanto, o pequeno infante escolar, talhado para os mais avançados cuidados físicos e psíquicos, resultaria no adulto perfeito, longevo e capaz de usufruir totalmente de todos os seus dias, sem falhas, sem dores, sem angústia - suprimindo-se qualquer mal-estar. Para esta nova infância, novos servos: técnicos (psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, etc.) e educadores infantis. Tais educadores, fabricantes desta "nova infância", são premidos pela urgência da capacitação, assim como pela "crença" da existência de alguma teoria/prática inovadora que impeça as dificuldades ou percalços, enganados de que é o ensino que comanda o ato educativo. Compreender estas novas relações, entre a criança pequena e o educador infantil é fundamental para que se criem formas de agenciamento do desejo e não de seu tamponamento.

Keywords : Educação Infantil; Educador Infantil; Psicanálise da pequena infância.

        · text in portuguese