6O pequeno infante escolar: as vicissitudes de um novo sentimento de infância fabricado pela Educação InfantilProfessores sob pressão: sofrimento e mal-estar na educação author indexsubject indexsearch form
Home Pagealphabetic event listing  

Psicanálise, Educação e Transmissão


On-line ISBN 978-85-60944-08-8

Abstract

RODRIGUES, Rogério. As práticas educativas e os castigos: o exercício da crueldade como o lugar da inscrição da memória.. In: PSICANALISE, EDUCACAO E TRANSMISSAO, 6., 2006, São Paulo. Proceedings online... Available from: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032006000100062&lng=en&nrm=abn>. Acess on: 15 June. 2024.

Não é pouco comum nos defrontarmos na vida com situações em que temos que tomar uma determinada "decisão". Nesses momentos é que buscamos recorrer às nossas "certezas" capazes de nos direcionarem  para o "acerto", já que fomos educados a não aceitar o "erro". Portanto, diante de uma "decisão" o sujeito pode ficar rememorando suas "inscrições", às quais denominamos "memória", para que possa encontrar alguma indicação que o oriente no "julgamento" capaz de direcioná-lo à ação. Compreendemos que o "corpo" e a "alma" são fontes permanentes de  "memória" para que o sujeito possa "lembrar" a "si mesmo". Ou seja, são nesses lugares que se encontram "inscritas as marcas" do seu próprio destino. Assim, afirmamos que os nossos "paradigmas" se constituem a partir de nossas histórias de vida, principalmente, do modo como lidamos com a educação realizada pelos pais e educadores que a todo o momento instituem no corpo e na alma o lugar da "inscrição da verdade" fazendo com que não nos "esqueçamos" ou  nos "desviemos" daquilo que parece "certo". O que a Psicanálise pode nos ajudar a pensar sobre esses mecanismos da "dor" que são utilizados para que se faça memória a ponto do sujeito ter no "corpo" e na "alma" registros para  "rememorar" a sua própria vida? Qual a "dose" necessária de castigo a ser aplicada para que o sujeito possa reconhecer "verdadeiramente" o "seu erro"? A "certeza"  desse "saber" acaba por lançar os pais e os educadores no "labirinto ilusório" de que há um "eu" a  ser cultuado, ou seja, há uma "crença" na instituição do "modo civilizatório" de sujeito. Assim, acredita-se que há um "saber" como "educar" e, principalmente, o "fortalecimento" da neurose de que é possível responder às perguntas de como devemos "educar" as crianças e os adolescentes visando à constituição de um  sujeito dito "normal".

Keywords : Educação; Crueldade; Psicanálise.

        · text in portuguese