2As experiências dos adolescentes em situação de escolarização na escola pública da cidade de Curitiba-PR author indexsubject indexsearch form
Home Pagealphabetic event listing  

Simpósio Internacional do Adolescente



Abstract

GARCIA, Vânia Ghirello and MORENO, Diva Maria Faleiros Camargo. Caminhos de ação em saúde mental na Unidade Básica de Saúde/SMS-PMSP. In Proceedings of the 1th Simpósio Internacional do Adolescente, 2005, São Paulo (SP) [online]. 2005 [cited 19 January 2022]. Available from: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000082005000200031&lng=en&nrm=iso> .

INTRODUÇÃO: A adolescência é aqui entendida, conforme Ferrari, como área com características e dinâmicas próprias, um "desafio" no qual a vida futura do indivíduo é decidida e a integração física e mental está em pauta. São consideradas três modalidades de atividades grupais com adolescentes nas faixas etárias: 1) 12 a 14 anos, jovens de 6ª do Ensino Fundamental em avaliação psicológica, com dificuldade de aprendizagem, ainda não alfabetizados completamente, 2) 16 a 21 anos, em psicoterapia, e 3) 17 a 22 anos, em promoção de saúde na escola, envolvendo conteúdos de sexualidade e prevenção de DST e Aids. OBJETIVO: Possibilitar a troca de informações e experiências a respeito das relações afetivas e sociais entre adolescentes, seus pais e professores, visando a construção de conhecimento conjunto e a diminuição da vulnerabilidade diante de situações geradoras de risco. DESENVOLVIMENTO DA AÇÃO: O trabalho em grupo foi escolhido para a otimização do recurso profissional, por abarcar um maior número de pessoas, e por ser o estado preferencial da faixa etária envolvida. Permite também enriquecer a "circulação da palavra". Como recursos técnicos, foram utilizados desde a comunicação verbal, materiais expressivos e desenho, material lúdico (jogos), técnicas de dinâmica de grupo e dramatização, até insumos de prevenção (preservativos e outros). RESULTADOS: O que se observou é que há na UBS a possibilidade e a relevância de propiciar aos adolescentes, espaços de expressão e uso da palavra significativa, de relações mais humanizadas, onde a angústia seja veiculada e os conflitos e afetos manifestos mesmo que não elaborados totalmente, pelo menos trabalhados. Essas atividades operaram como um espaço de expressão de afetos, comparação de experiências vividas e socialização de "dicas" sócio-culturais. LIÇÕES APRENDIDAS: O trabalho em saúde mental muitas vezes padece de um excesso de demanda direcionada à psicoterapia que os serviços de assistência não têm condição de absorver totalmente, e nem sempre é o mais recomendado. Assim, pensar em novos caminhos de atenção à saúde, como, por exemplo, fornecer subsídios e suporte a educadores, coordenadores e pais pode ser uma importante medida. Há cuidados de várias ordens que podem ser desenvolvidos pelas várias instâncias envolvidas: a escola, a família e o serviço de saúde. Trata-se de uma coalizão de forças, cada uma a seu modo, com a finalidade da (re)instauração da saúde mental.

        · text in portuguese