3, v.2As relações Russo-Japonesas no início do século XXIDa cibersegurança à ciberdefesa Americana: a diplomacia da internet como instrumento de proteção e de integração dos estados da OEA author indexsubject indexsearch form
Home Pagealphabetic event listing  

3° Encontro Nacional ABRI 2011


Print ISBN 2236-7381

Abstract

AMARAL, Gabriela Granço do. Análise da diplomacia chinesa: a "ascensão pacífica" e seus questionamentos. In Proceedings of the 3rd ENABRI 2011 3° Encontro Nacional ABRI 2011, 2011, São Paulo (SP, Brazil) [online]. 2011 [cited 19 January 2022]. Available from: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000122011000200016&lng=en&nrm=iso> .

Para o governo da China, uma das principais premissas de sua política externa é que o esforço de desenvolvimento e de modernização do país será conduzido sem abalar as estruturas da ordem mundial, ou seja, será um processo conduzido de forma pacífica e harmoniosa, sem pretensões hegemônicas. Essas premissas foram apresentadas como estratégia nacional sob o nome de "ascensão pacífica". O termo foi lançado em 2003 por Zheng Bijian, vice-presidente do Central Committee's Central Party School, durante um Fórum sobre China nos Estados Unidos, e já em 2004 passou a fazer parte do discurso oficial chinês, sendo utilizado pelo presidente Hu Jintao e primeiro ministro Wen Jiabao. Essa expressão, contudo, foi logo substituída por "desenvolvimento pacífico", mudança que pode refletir disputas de interesses e de poder entre grupos da liderança chinesa e também uma correção das implicações da expressão anterior. Analisar as variáveis que envolvem esta estratégia de ascensão/desenvolvimento é de grande importância para a análise e a compreensão da diplomacia chinesa para o século XXI.

Keywords : China; Política Externa; Ascensão Pacífica.

        · abstract in english     · text in portuguese     · pdf in portuguese