3, v.3Direitos humanos e direito internacional dos refugiados: uma relação de complementaridadeA política externa Argentina (PEA) durante os governos justicialistas (Menem, Duhalde e Kirchner) e as relações com o Brasil índice de autoresíndice de materiabúsqueda de trabajos
Home Pagelista alfabética de eventos  

3° Encontro Nacional ABRI 2011


ISBN 2236-7381 versión impresa

Resumen

ESPOSITO NETO, Tomaz. As possibilidades e os limites do "realismo periférico": a política externa do Paraguai de 1954 a 1989. In Anales del 3° ENABRI 2011 3° Encontro Nacional ABRI 2011, 2011, São Paulo (SP, Brasil) [online]. 2011 [citado 22 Junio 2024]. Disponible en: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000122011000300051&lng=es&nrm=iso> .

Os quase 35 anos da ditadura do Stroessner (1954 -1989) destoam da instabilidade política paraguaia, vivenciada desde o fim da Guerra do Paraguai (1864-1870). A longevidade desse governo é normalmente atribuída ao controle social imposto pelo aparato estatal de repressão e ao grande crescimento da economia paraguaia. Esse bom desempenho econômico deveu-se, em certa medida, a uma política externa pragmática e "realista". O presente ensaio tem como objetivo analisar os principais eixos da política exterior paraguaia do governo Stroessner, de 1954 a 1989, em especial suas relações com os Estados Unidos, o Brasil e a Argentina.

Palabras llave : Paraguai; Política Externa Paraguaia; Stroessner.

        · resumen en inglés     · texto en portugués     · pdf en portugués